Twitter: mais de 377 mil contas suspensas em seis meses por apologia ao terrorismo

O Twitter anunciou ter bloqueado mais de 377 mil contas nos últimos seis meses por fazerem propaganda e apologia do terrorismo.

A rede social norte-americana começou a divulgar estas estatísticas há cerca de um ano e precisou que este número representa um aumento de 60% face ao semestre anterior. No total, em ano e meio – entre 1 de Agosto de 2015 e 31 de Dezembro de 2016, o Twitter apagou 636.248 contas que incentivavam ou defendiam o terrorismo.

Além disso, o Twitter informou que mantém, desde 2010, uma parceria com a Lumen, empresa de investigação norte-americano, que funciona como consultora da companhia. A Luman recebe da rede social uma cópia de todos os pedidos de suspensão de contas para que, autonomamente, as duas empresas possam rever que tipo de conteúdo foi denunciado e quem fez essa denúncia.

Apesar disso, o Twitter reserva-se ao direito de não partilhar informações pessoais com a Lumen, como sejam as moradas pessoais e os números de telefone dos utilizadores, por motivo de confidencialidade e respeito pela vida privada.

Pedidos de informação dos Governos também aumentaram

O Twitter revelou ainda que os pedidos de informação por parte de governos, autoridades e força de segurança também estão em alta: mais 7% do que nos seis meses anteriores, mas relativamente a um número inferior de contas (-13%). Houve também um aumento de 13% nos pedidos de suspensão das contas, mas também esses pedidos se referema menos perfis (-37%).

Ainda de acordo com os dados divulgados pelo Twitter, o FBI autorizou que a rede social divulgasse a existência de pedidos de vigilância sobre duas contas específicas, sem que as mesmas fossem, no entanto, identificadas.

Quanto às contas de jornalistas e órgãos de comunicação social verificados, o Twitter recebeu 88 pedidos de suspensão no mundo inteiro, sem ter adoptado quaisquer medidas. A Alemanha e a Turquia representam cerca de 90% desses pedidos e são as únicas excepções.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *