Ephemera mostra grandes nomes da música mundial em Portugal

O episódio do Ephemera deste fim-de-semana, que marca o arranque da terceira temporada do programa que dá a conhecer o acervo do arquivo homónimo de José Pacheco Pereira, mostra-nos, entre outros objectos, um álbum de fotografias de Constantino Varela Cid, aquele que Bruno Caseirão, professor e investigador da NOVA e responsável pelo espólio musical do Ephemera, considera ter sido o primeiro grande empresário musical em Portugal.

Constantino Varela Cid foi presença assídua do Teatro Nacional de São Carlos, sempre no mesmo camarote, durante várias décadas, desde o final da Segunda Guerra Mundial e o início da década de 1970.

Nesta altura, havia duas grandes organizações musicais em Portugal, além do São Carlos. Eram elas o Círculo de Cultura Musical, da responsabilidade de Elisa Sousa Cardoso, e a Sociedade de Concertos de Lisboa, sob direcção da Marquesa Olga de Cadaval. Havia uma competição saudável entre as companhias, que trouxeram os grandes nomes da música europeia a Portugal até cerca dos anos 1960, altura em que surgiu a Fundação Calouste Gulbenkian, que passou a ter um papel completamente relevante na programação em Lisboa.

Um dos objetos de Varela Cid que salta à vista no arquivo Ephemera e que merece destaque neste episódio é um álbum de fotografias que documenta as visitas desses grandes nomes. Podemos ver Guilhermina Suggia, que foi a primeira grande violoncelista da história mundial do violoncelo. Nasceu no Porto em 1885 e ofereceu a fotografia a Constantino Varela Cid.

Neste álbum há uma predominância de fotografias das chegadas dos músicos a Portugal. Um deles é Igor Stravinsky, o compositor mais importante do séc. XX. A chegada à capital portuguesa de Arthur Rubinstein, pianista judeu polaco que se naturalizou norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial, também está documentada no álbum de Varela Cid.

Estes grandes nomes da música mundial aproveitavam para visitar as casas de fado de Lisboa e não faltam registos fotográficos desses momentos. Muitas destas fotografias eram oferecidas pelos próprios músicos, com direito a dedicatória a Constantino Varela Cid dedicatória.

Emil Gilels visitou o nosso país em Abril de 1961, quando interpretou o concerto para piano e orquestra n.º 1 em si bemol menor, Op.23 de Tchaikovski com a Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional  dirigida por Pedro de Freitas Branco. Numa das fotografias, o pianista russo é visto a comer um prego na Trindade na companhia de Constantino Varela Cid e a filha, Farizet Gilels.

Comentar